Como a cor rosa diminuiu o índice de violência em cadeias dos EUA

Parece pouco provável que uma cor ajude a diminuir os índices de violência em uma prisão, porém os americanos estão ai para provar que ...


Parece pouco provável que uma cor ajude a diminuir os índices de violência em uma prisão, porém os americanos estão ai para provar que isso não só é possível, como acontece. Tudo graças a cor rosa Baker-Miller.

Essa história começa na década de 1960, com o psicoterapeuta suíço Max Lüscher que utilizava cores para classificar a personalidade de seus pacientes. A cada sessão, o psicoterapeuta mostrava 8 cartas de cores diferentes para os seus pacientes e pedia para que escolhessem uma. Ao observar que a cada sessão alguns pacientes escolhiam cores diferentes, Luscher percebeu que essa escolha estava associada a um estado mental e de equilíbrio hormonal, ou seja, ao humor do paciente no dia da consulta e não a sua personalidade.

Pensando assim, talvez as cores também possam alterar o humor de uma pessoa. Á partir desse pensamento, o cientista Alexander Schauss e Lüscher passaram a fazer testes, com o intuito de obter resultados mensuráveis que pudessem sustentar essa hipótese. Com as pesquisas, descobriu-se que a cor rosa Baker-Miller conseguia causar maiores mudanças fisiológicas nos batimentos cardíacos, na pressão e na respiração.

Em 1979, quase 20 anos depois, a prisão da Marinha Americana, em Seatle, foi convencida por Lüscher e Schauss a pintar tudo de rosa, o resultado dessa experiência foi a redução de 1 incidente por dia para 1 a cada 6 meses. Desde então a cor é utilizada em diversas penitenciárias mundo afora, talvez o Brasil devesse entrar nessa onda, principalmente com a crise/massacre que acontece nas penitenciárias brasileiras atualmente.

Caso você tenha ficado curioso para saber mais sobre esse assunto, assista ao vídeo abaixo do Atlas Obscura.


Por Yasmim Aguiar

Conheça também esses posts!

0 comentários

Instagram