Conhecendo Cléber Ferreira e Zullu Oliveira

Vamos acordar para um novo dia, fazer um caminho diferente, escrever uma nova historia. Quantas vezes você se olhou no espelho?  Você deve ...

Vamos acordar para um novo dia, fazer um caminho diferente, escrever uma nova historia. Quantas vezes você se olhou no espelho?  Você deve estar pensando que já fez isso inúmeras vezes, mas não! Quando lhe questiono é pra realmente saber, quantas vezes você realmente se olhou? Esqueça a estética, esqueça roupas ou até mesmo a maquiagem que você fez, falo de algo maior e mais profundo que isso, um brilho que só você tem. É se olhar e ver além do que os outros enxergam, chegar em um patamar do qual só seus sonhos e sentimentos mais profundos podem chegar.

Quantas vezes você simplesmente caminhou sem rumo e sem preocupações? Quantas vezes gritou quando lhe deu vontade? Chorou quando o momento falou mais alto? Dançou e ficou pulando sem parar a música que tanto ama? Você já viveu um sonho? Já deixou seu verdadeiro eu falar mais alto?

 É a lei da atração , se você acreditar que pode irá conseguir, do contrário não espere bons resultados.

Iremos mostrar a vocês a história de Cléber Ferreira e Zullu Oliveira, amigos moradores da Cidade de São Paulo, região do bairro Grajaú. Eles além da amizade têm em comum um grande sonho e assim como tantos talentosos que estão escondidos por esse mundo a fora tem vontade de viver da música.


LazCult: Como tudo começou?

Cléber Ferreira: Bom eu canto desde os 5 anos de idade nas igrejas evangélicas que minha mãe me levava, desde então não parei mais. Aos 13 anos eu comecei a fazer aula de canto e só parei aos 17 anos de idade, ou seja, 5 anos dedicados  da minha vida a música. Na minha família eu tenho alguns primos, primas e tios que já seguem carreira como cantores em igrejas, então as influências vieram do berço.  
  
Zullu Oliveira: Desde os 12 anos de idade sempre gostei de música, acompanhava as músicas nos vídeos clipes da MTV e sempre estava com meu pai cantando enquanto ele tocava, uma noite em que estava  sozinho em casa como de costume vendo vídeos, pensei em tocar violão e depois desse dia não parei mais,  peguei o violão do meu pai depois de umas instruções fui tentando sozinho, um velho amigo estava aprendendo a tocar também, juntos fomos criando forças para continuar essa aprendizagem. Apesar de não cantar muito bem nem tocar o que me fez ter essa paixão inexplicável pela música é a felicidade e o sorriso que me vem ao ouvir um som. Me sinto muito positivo na vida.

LazCult: Vocês já tiveram uma banda?

Cléber ferreira e Zullu Oliveira: Existiram algumas tentativas de formar, mas todas em vão.

LazCult: Quais são suas influências musicais?

Zullu Oliveira: No começo tive como influências John Frusciante que na época era guitarrista do Red Hot Chilli Peppers e o grande Tom Morello que tocava no Rage Against The Machine, Como banda tive influências o CPM 22, Detonautas, Charlie Brown Jr.  Hoje tenho uma influência mais reggae como: Mato Seco, Jah Live, Ponto de Equilíbrio e o Natiruts.

Cléber Ferreira: Se tratando da música popular, eu particularmente gosto muito de Gilberto Gil, Ana Carolina, Leandro e Leonardo, Vanessa da Mata e etc.
Sendo internacional gosto muito do vocalista da banda Groundation, Craing Mabbitt, Souja Boy, Bruno Mars e etc. 


LazCult: Vocês fazem algo mais no meio artístico além da Música?

Cléber Ferreira: Tipo tudo que eu quero aprender eu consigo, mas com uma capacidade muito rápida eu danço sim, mas não profissionalmente, apenas por dançar mesmo.
Mas danço Melbourner, sertanejo, funk (as vezes) hip hop , enfim sei dançar.

Zullu Oliveira: Quando eu tinha 15 anos gostava de pintar, pensei muito em ser desenhista quando estivesse maior, mas o desejo do desenho foi passando e entrando o desejo de ser músico.  Já tentei dançar música eletrônica, como Free Step, Jump Style, Sensualize. Mas não passou de Hobbies momentâneos.


LazCult: Uma Música que defina vocês?

Cléber ferreira: Bom, são muitas músicas que definem o que se passa comigo, como esta sendo meu dia e tal, mas no momento a música: Nosso Lar da banda Mentesa é a que mais fala sobre mim, as vezes não diretamente, mas de alguma forma define.

Zullu Oliveira: LULU SANTOS (Visão Moderna) Maravilhosa  me arranca sorrisos bastante positivos.

LazCult: O que você diria à galera que esta, assim como você, em busca de uma oportunidade para demonstrar seu trabalho?

Zullu Olivera: Nunca desistam desse sonho por mais que ele esteja longe, por mais que seja somente um sonho, continue fazendo o que mais gosta, a música tem sempre algo novo para nos ensinar. E aprendendo com o tempo, o tempo de novos acontecimentos sempre vai chegando mais perto de nossos objetivos musicais. Acredite por mais que essa chance seja um pouco branca em meio à escuridão, pois um dia tudo clareia ao seu redor.

LazCult: Perguntei pra o Cléber Ferreira, O que você diria aos cantores que, assim como você, estão em busca de reconhecimento e espaço? O que você diz a você mesmo?

Cléber: Eu diria a eles que independente de sucesso ou não, cante e que por valor nenhum venham a nos calar, venha nos impedir de cantar e de ser quem somos. Verdadeiros cantores.
A mim eu digo: Que eu continue na luta, porque a vitória é maior para os que permanecem com fé por mais tempo.

Vocês conheceram um pouco da história deles, pouco perto das experiências já presenciadas por cada um, mas conheceram o bastante para saber que os sonhos são muitos, que os talentos são grandiosos e que viver, o que sente, o que ama, o faz mais dono de si.
Então basta persistir e acreditar!

Deixamos vocês com um vídeo feito por eles Projota (Mulher)


Por: Bianca Willms

Conheça também esses posts!

0 comentários

Instagram